Arquivo | Networking RSS for this section

Usando o Xcopy para copiar arquivos maiores que 5GB sem uso de Buffer

Um dos procedimentos que devem ser evitados em um servidor é justamente a cópia de arquivos grandes via Windows Explorer, isso prejudica o desempenho do servidor.

Num cenário onde existe um um servidor de banco de dados com 8GB de RAM, sendo praticamente 4GB alocados para banco. Sobra aproximadamente 1GB para o Sistema Operacional + drivers, restando 3GB “livres”.

Se você estiver conectado neste servidor e realizar uma cópia de arquivos grandes via Windows Explorer vai perceber uma lentidão no sistema, inclusive podendo receber um aviso (mensagem) de falta de memória disponível.

Faça da forma correta, utilize o Xcopy usando o parâmetro /J (para que faça uma cópia sem utilizar o Buffer) nativo apartir do Windows Server 2008 R2 e Windows 7.

2015-04-16_10h56_58

2015-04-16_10h48_16 Para sistemas anteriores Windows 2000, 2003, 2008 e XP utilize o Teracopy (Free para uso doméstico, para uso comercial é necessário adquirir uma licença) ou utilizar ESEUTIL, disponível apenas para quem possui o Microsoft Exchange Server (parte do produto).

Neste Tutorial mostramos a forma correta de copiar arquivos grandes, sem comprometer (impactar) o desempenho do servidor.

Vocês podem ver mais aqui neste link

Por: Desmonta&CIA
Anúncios

Switches: “Como funciona a Auto-negociação?”

Switches: “Como funciona a Auto-negociação?”A auto-negociação é uma protocolo da Camada Física do modelo de referência OSI, que permite que dois equipamentos de rede (Switches, Roteadores e Servidores) negociem velocidade e duplex para escolha dinâmica do melhor cenário para a comunicação de dados.

O padrão é bastante útil no dimensionamento de redes para a compatibilidade entre as versões 10/100/1000Mb das interfaces.

Apesar da instabilidade inicial do padrão (devido à incompatibilidade dos fabricantes na adoção do modelo), as discussões da especificação da auto-negociação foram eliminados pela versão de 1998 do IEEE 802.3. Em 1999, o protocolo de negociação foi significativamente ampliado por IEEE 802.3ab, que especificava o protocolo de GigabitEthernet, tornando obrigatória a auto-negociação para 1000BASE-T.

Leia Mais…

IPv6 – Introdução ao Endereçamento e Cabeçalho

IPv6 - Introdução ao Endereçamento e CabeçalhoO IP versão 6, atende todas as necessidade propostas para melhora da versão anterior. Genericamente, o IPv6 não é compatível com o IPv4, mas é compatível com os outros protocolos auxiliares da Internet, como TCP, UDP, ICMP, IGMP, DNS, etc.

A principal modificação está relacionada ao endereçamento de128 bits, comparado aos 32 bits do IPv4. O aumento na quantidade de endereços oferecem um número ilimitado de endereços na Internet, melhora na confiabilidade de endereços, flexibilidade e facilidade de multihoming para diversos Provedores (ISP), auto-configuração de endereços de rede IPv6 e comunicação fim-a-fim sem a necessidade de NAT.

Leia Mais…

VLAN – Trunk utilizando 802.1q (dot1q)

VLAN - Trunk utilizando 802.1q (dot1q)

A utilização de VLAN (Virtual Local Area Network) permite que uma rede física seja dividida em várias redes lógicas dentro de um Switch. A partir da utilização de VLANs, uma estação não é capaz de comunicar-se com estações que não são pertencentes a mesma VLAN. Para isto, é necessário a utilização de uma sub-rede por VLAN e que o tráfego passe primeiro por um roteador para chegar a outra rede ou utilizando um Switch Multicamada para efetuar o Roteamento.

Leia Mais…

HDBaseT, PoE e o Bluetooth 3.0

HDBaseT, PoE e o Bluetooth 3.0Com a popularização dos home-theaters e HDTVs surgiu outro problema, que é a multiplicação dos cabos. Mesmo com o HDMI incluindo também suporte a áudio, temos ainda os cabos de energia, cabos de rede e assim por diante. O HDBaseT oferece uma solução elegante para o problema, transmitindo vídeo em alta definição (Full-HD sem compressão), áudio, 100 watts de eletricidade, comandos de controle e ainda por cima uma interface de rede de 100 megabits usando um único cabo Cat 5e ou Cat 6. Em resumo, ele oferece todos os insumos necessários para a operação de uma TV ou home-theater usando um único cabo de rede, eliminando a necessidade do uso de um cabo HDMI para a imagem, cabo de energia e etc. como hoje em dia.

Leia Mais…

Dosiê Fibra Óptica – Parte Final

Este post é a continuação do artigo Dosiê Fibra Óptica – Parte I

Dosiê Fibra Óptica – Parte Final

6. Sistemas de comunicação
O sistema de fibras ópticas é constituído por três blocos básicos:

  • Bloco Transmissor
  • Bloco Receptor
  • Bloco do Meio Físico

O Bloco Transmissor possui a função de transformar o sinal elétrico em óptico, sendo constituído por dois componentes básicos: o circuito driver e circuito emissor de luz. O circuito driver possui a função controle de polarização elétrica e emissão de potência óptica.

O circuito emissor de luz é responsável pela conversão e a emissão do sinal óptico. O bloco receptor possui a função inversa do bloco transmissor, ou seja, detecta o sinal óptico e o converte para elétrico. É constituído por um fotodetector que realiza a conversão optoelétrica e por um circuito amplificador-filtro, onde o sinal recebe um tratamento adequado para a leitura. O meio físico, composto pelas fibras ópticas é um guia, em cujo interior a luz trafega, desde a extremidade emissora até a extremidade receptora.

Leia Mais…

Redes Wireless – Alcance e Interferência

Redes Wireless - Alcance e InterferênciaAs placas Wi-Fi também são placas Ethernet. As diferenças com relação às placas cabeadas se restringem às camadas 1 e 2 do modelo OSI, ou seja na camada física (representados pelos transmissores e antenas) e link de dados (a modulação do sinal, encriptação via WPA ou WEP, correção de erros e outras funções executadas pelo chipset placa). Do nível 3 em diante temos o TCP/IP e as demais camadas da rede, que funcionam da mesma forma que em uma rede cabeada.

Com relação à transmissão dos dados, a principal diferença é que em uma rede wireless o meio de transmissão (o ar) é compartilhado por todos os clientes conectados ao ponto de acesso, como se todos estivessem ligados ao mesmo cabo coaxial. Isso significa que apenas uma estação pode transmitir de cada vez, e que todas as estações dentro da área de cobertura recebem todos os pacotes transmitidos da rede, independentemente do destinatário. Isso faz com que a segurança dentro de uma rede wireless seja uma questão sempre bem mais delicada que em uma rede cabeada.

Leia Mais…

%d blogueiros gostam disto: