Archive | maio 2009

Como fazer cópia de segurança da sua agenda de contatos do Outlook

Não se deve vacilar com essas informações; contatos e e-mails são dados importantes que devem ser protegidos.

Quem lida muito com e-mails sabe da conveniência e, principalmente, a importância de se ter uma agenda com todos os contatos no software cliente que se usa. E no caso do Outlook não é diferente. Mas você sabe como fazer uma cópia desses contatos – seja por segurança, seja porque o computador será formatado?

É simples. Vá no menu Arquivo e clique em Importar e Exportar. Selecione Exportar para um arquivo e depois Avançar. Na lista Criar um arquivo do tipo, clique em Arquivo de Pastas Particulares (.pst) e depois em Avançar.

Na lista Selecione a pasta de origem para exportação, clique em Contatos. Se a pasta Contatos contiver subpastas que você tenha criado (do tipo Trabalho, Clube, Condomínio etc), marque a opção Incluir subpastas.

Clique em Avançar. Agora você vai dizer onde quer salvar seus contatos. Clique em Procurar, escolha o local do arquivo (por exemplo, Meus Documentos ou um disco removível, se quiser guardar esse backup externamente – isso pode garantir segurança adicional) e digite o nome do arquivo de backup (por exemplo, BackupAgendaOutlook.pst).

Clique em OK e Concluir. Uma caixa de diálogo Criar pastas particulares será aberta. Nela, você pode dar o nome que preferir e, se quiser, pode aplicar criptografia e senha em seu backup.

Formatação
Em caso de se formatar o PC, veja o que fazer para devolver seus contatos para o Outlook depois.

O processo é mais ou menos o inverso. Vá de novo em Arquivo e clique em Importar e Exportar. Selecione a opção importar de outro programa ou arquivo. Escolha Arquivo de Pastas Particulares (.pst) e dê Avançar.

Procure o arquivo na pasta em que salvou e clique em Abrir. Diga o quer fazer com possíveis contatos duplicados (permiti-los, substituí-los ou não importá-los). Clique em Concluir.

Anúncios

Como enviar fotos por e-mail sem entupir a caixa de entrada dos amigos

É possível redimensionar as fotos selecionadas antes de enviá-las pelo correio eletrônico e o Windows faz isso facilmente.

Você já deve ter passado mais de uma vez por experiência semelhante: na manhã seguinte a uma festa com a família ou churrasco com os amigos, mensagens com fotos – muitas fotos – começam a chegar por e-mail e, não raro, entopem sua caixa de entrada.

Na ânsia de compartilhar as imagens, poucos usuários se dão ao trabalho de diminuir o tamanho das fotos. Uma câmera digital com resolução de 10,2 megapixels (MP) em sua configuração padrão gera imagens de quase 2,5 megabytes. Multiplique isso por algumas dezenas de imagens e você terá idéia do cenário que o aguarda.

Mas isso não precisa ser assim. Tanto o Windows XP quanto o Vista podem redimensionar suas fotos quando você as envia por e-mail.
No Windows Explorer, selecione suas fotos, clique com o botão direito do mouse sobre as imagens, selecione Enviar Para, Destinatário de Correio.

No Vista você também pode clicar no ícone e-mail na barra de ferramentas.
Uma caixa de diálogo abrirá e irá perguntar se você quer reduzir as imagens antes de enviá-las.

Se escolher que sim, o Windows irá criar versões menores das fotos e enviá-las por e-mail pelo programa de correio padrão.

Ao fazer tornar as imagens mais leves, o Windows reduz sua resolução. O resultado é uma imagem boa de ser ver na tela, mas que não tem qualidade suficiente para ser impressa.
Por isso, avise no e-mail que as fotos estão em baixa resolução e se alguém quiser imprimir, você pode enviar – posteriormente – a imagem desejada em alta resolução.

Aproveite para compartilhar essa dica com seus amigos. As chances de você voltar a ter sua caixa postal entupida (e a deles) vão reduzir muito.

Uma segunda conta no Windows pode fazer o sistema iniciar mais rápido

Levante a mão quem nunca reclamou do tempo que o Windows leva para dar boot (processo de inicialização de um computador) e deixar a máquina prontinha para ser usada.

Na realidade, pouco se pode fazer para melhorar esta situação. Se o problema não for falta de memória ou de espaço em disco, alguns ajustes na configuração podem agilizar a inicialização do PC, mas não dá para ir muito além disso.

Uma solução pouco convencional, mas que pode melhorar um pouco o tempo de inicialização de um PC com Windows é configurar uma conta adicional de acesso ao sistema. Caso você seja o único usuário do sistema, é como se criasse uma conta que seria acessada por outra pessoa.
Mas atenção leitor: os procedimentos abaixo envolvem modificações no registro do Windows. Por conta disso, antes de fazer qualquer ação, lembre-se de efetuar um backup de segurança do registro do sistema, criar um ponto de restauração e fazer backup dos seus dados.

No Windows XP, selecione Iniciar, Configurações, Painel de Controle e depois Contas de Usuário. Depois clique em Criar nova conta. Caso esteja usando o Vista, selecione Iniciar, digite control userpasswords e pressione Enter. Clique em Gerenciar outra conta e depois em Criar nova conta.
Em qualquer dos casos, nomeie a conta como Boot Rápido e dê a ela o atributo de Administrador. Mais tarde e com tudo funcionamento adequadamente, você deve retirar esse atributo por questões de segurança.

Controle da inicialização
Uma vez criada esta nova conta, é necessário fazer o Windows ser iniciado a partir dela por padrão, pois nada justifica ter um boot rápido e ainda ser necessário escolher usuário e senha antes. Selecione Iniciar, Executar, e digite control userpasswords2 e pressione Enter.
Nota: esse passo irá permtir um boot sem senha. Caso seja necessário proteger seus dados, não o execute.

Na caixa de diálogo que abrir, selecione a aba Usuários, desmarque a opção Usuários devem entrar nome e senha para usar este computador e, na lista de usuários, selecione Boot Rápido (a conta que foi criada). Clique OK.

Quando a caixa de diálogo pedir pela senha do Boot Rápido, você pode deixar os campos em branco. Agora quando executar o Windows, ele irá carregar o Boot Rápido por padrão.
Para utilizar sua conta de usuário normal, apenas se desconecte (faça logoff) da conta criada para o boot rápido e acesse sua conta de usuário.

Ajustes finais
Claro, uma opção de boot rápido não tem muito sentido se não for mesmo rápido. Para isso e enquanto estiver usando sua ‘antiga’ conta, selecione Iniciar, Todos os Programas. Clique com o botão direito do mouse sobre a opção Inicializar e selecione Abrir; uma janela será aberta. Repita esse processo, mas dessa vez selecione Abrir Todos os Usuários; uma nova janela será aberta.
Agora considere todos os ícones que estão na segunda janela do Windows Explorer (a que se refere a Todos os Usuários) e arraste para a outra janela (que se refere a sua conta de usuário) qualquer item que não pareça necessário ao Boot Rápido. Feito isso, feche as duas janelas do Windows Explorer.

Reinicie o computar para que o processo seja feito utilizando o Boot Rápido. Passe por toda a introdução que o Windows faz quando uma nova conta é criada. Recomendamos dar a essa conta um plano de fundo diferente para a área de trabalho, assim você não corre o risco de se confundir.

Utilizando a conta Boot Rápido, selecione Iniciar, Todos os Programas. Clique com o botão direito do mouse sobre a opção Inicializar e selecione Abrir. Se houver lá algo desnecessário, remova.
Agora selecione Iniciar, Executar (ou apenas Iniciar no Vista), digite msconfig e pressione Enter. Clique na aba Inicializar. Procure na coluna Localização por qualquer coisa que comece com HKCU (o que significa HKEY_CURRENT_USER). Desmarque qualquer coisa que você pode ficar sem (mas preste atenção no que for desabilitar).

Se você utiliza o Vista, uma dica é checar na matéria 12 formas de se livrar de recursos desnecessários, que apresenta maneiras de agilizar a inicialização do Vista. Um exemplo a se considerar é o primeiro item da matéria, que fala da barra lateral. Sem ela o Vista funciona muito mais rápido.

Windows XP: Configurando a rede via linha de comando

Uma curiosidade no Windows XP é que toda a configuração da rede pode ser feita via linha de comando, através do prompt do MS-DOS, como no Linux. Na prática, não existe nenhuma grande vantagem sobre configurar pelo Painel de controle, mas não deixa de ser um truque interessante, que vale à pena aprender.
Ao configurar a rede via DHCP, você pode checar rapidamente qual endereço IP está sendo usado por cada micro usando o comando “ipconfig” dentro do prompt do MS-DOS:

Para configurar a rede, especificando manualmente os endereços, você usaria:
C:> netsh int ip set address name=”Conexão Local” source=static 192.168.0.22 255.255.255.0 192.168.0.1 1
… onde o “Conexão Local” é o nome da conexão de rede (da forma como aparece no painel de Conexões de rede do Painel de controle), seguido pelo endereço IP, máscara e gateway da rede. Não se esqueça do número “1” no final, que é um parâmetro para a configuração do gateway.
Para configurar o DNS, você usaria:
C:> netsh int ip set dns “Conexão Local” static 200.204.0.10
Para configurar os endereços e DNS via DHCP, você pode usar os comandos:
C:> netsh int ip set address name=”Conexão Local” source=dhcpC:> netsh int ip set dns “Conexão Local” dhcp
O endereço obtido via DHCP precisa ser renovado periodicamente, o que é feito de forma automática. Mas, em algumas situações, o sistema pode falhar em renovar o endereço (o que é relativamente comum ao acessar via cabo, por exemplo) fazendo com que seu micro seja desconectado da rede. Nestes casos, você pode forçar a renovação do endereço IP clicando com o botão direito sobre o ícone da conexão, dentro do painel de controle e acessando a opção “Reparar”, ou usando os dois comandos abaixo no prompt do MS-DOS:
C:> ipconfig /releaseC:> ipconfig /renew
Um exemplo de configuração de rede completa para um dos micros da rede, que vai acessar a internet através do micro que está compartilhando a conexão, seria:
IP: 192.168.0.2Máscara: 255.255.255.0Gateway: 192.168.0.1 (o endereço do micro compartilhando a conexão)DNS: 200.204.0.10, 200.204.0.138
O micro que está compartilhando a conexão por sua vez vai ter duas placas de rede, uma para a internet e outra para a rede local, por isso vai ter uma configuração separada para cada uma. A configuração da internet é feita da forma normal, de acordo com o tipo de conexão que você usa, enquanto a configuração da rede interna segue o padrão que vimos até aqui.
Neste exemplo, estou usando dois endereços de servidores DNS externos na configuração do cliente, mas é possível instalar um servidor DNS na máquina que está compartilhando a conexão, incluindo inclusive nomes para as máquinas da rede local. Neste caso, você pode usar o endereço do gateway também como DNS:
Note que, neste caso, os micros da rede local utilizam uma faixa de endereços privada (192.168.0.x no exemplo), uma faixa de endereços que não existe na internet. O único que possui um endereço IP válido na internet é o roteador, que por isso é o único que pode ser acessado diretamente de fora. Ele fica responsável por interligar as duas redes, permitindo que os micros da rede interna acessem a internet.
Este método de compartilhamento de conexão é chamado de “NAT” (Network Address Translation). Ao receber um pacote de um dos micros da rede local endereçado à internet, o servidor substitui o endereço da estação (192.168.0.2, por exemplo) pelo seu endereço de internet (200.220.134.54, por exemplo) e o envia ao destinatário. Ao receber resposta, o servidor novamente troca o endereço de internet do destinatário pelo seu (do servidor) IP de rede local. A estação acha que está conversado diretamente com o servidor e não enxerga os demais hosts da internet enquanto eles (os demais hosts) enxergam apenas seu servidor e não os demais micros da rede local, que permanecem invisíveis.

Como fazer um backup de seus dados antes de formatar seu PC?

Pessoal, quem pretender formatar o HD de um computador, a primeira coisa a fazer é o backup dos dados que estão lá antes de zerar a máquina. Isso, claro, se o objetivo é manter as informações que se tem guardadas no disco rígido.

Mas você sabe quais as formas de fazer isso e o que deve ser copiado? Um backup, em geral, deve ter como alvo seus dados pessoais, como textos, músicas, planilhas, fotos, e-mails e não os aplicativos e utilitários instalados no computador.

No caso destes softwares, basta utilizar o disco de instalação deles e reinstalar cada aplicação após a formatação.Somente nos casos de programas que você baixou na Internet é que você deve fazer backup – mas apenas do arquivo de setup de cada software, isto é, do arquivo de instalação, e não do aplicativo em si.

Por que fazer isso?
Em primeiro lugar porque os aplicativos em geral representam um volume gigantesco de dados. Se você segue os padrões e sugestões do Windows XP, estes programas estão na pasta Arquivos de Programas e basta não fazer backup delas e apenas copiar tudo o que está no diretório C:Documents and Setting. Neste repositório estão pastas como Meus documentos, Desktop, Configurações locais, Favoritos, Menu iniciar, Cookies, etc.

No caso do Vista, tais pastas estão localizadas dentro do diretório C:Usersseu_nome_de_usuário.Apesar destas dicas, a única pessoa capaz de dizer quais dados de seu PC não podem ser perdidos é você! Faça uma varredura completa pelo Windows Explorer, passando por todos os diretórios e vendo o que você quer guardar.

Muitas vezes, no dia-a-dia, acabamos salvando dados em diretórios diferentes dos tradicionais e uma verificação extra não fará mal a ninguém.

Onde guardar?
Há diversas opções de armazenamento para os dados do backup e tudo vai depender do volume de dados, do quanto se tem para gastar e frequência de utilização da solução.CD/DVD: Esta é, sem dúvida, a solução mais barata já que é provável que o computador tenha pelo menos um gravador de CDs ou DVDs (este tem maior capacidade de armazenamento).

O problema é que, se o volume de dados for muito grande, você vai precisar de uma grande quantidade de mídias e muito tempo para fazer o backup e recuperá-lo depois. Dispositivos flash USB: Cada vez mais populares, os pendrives têm preço acessível e oferecem diversas capacidades de armazenamento.

Modelos de pendrive a partir de 4 GB de espaço podem dar conta do recado, mas modelos com capacidades maiores – 16 GB ou 32 GB já estão à venda e vêm se populares, mesmo no Brasil.

As vantagens de se usar um flash drive podem ser muitas: têm bom preço; são portáteis; alguns trazem software de proteção dos dados por criptografia e senha; outros incluem utilitário de sincronização de arquivos (o SanDisk Cruzer Titanium Plus, por exemplo, permite que você sincronize o drive com armazenamento baseado em web). Mas também tem desvantagens: justamente pelo tamanho reduzido, elas podem ser perdidas facilmente ou até quebradas. Pense nisso.

HD externo: Se você tem um dinheirinho guardado, pode comprar um disco novo e montar um hd externo. A única ressalva que fazemos é a de optar por um dispositivo que tenha conexão USB em vez de FireWire. Além de mais rápida na transferência de dados, a primeira é também muito mais comum e, logo, é mais provável que seja compatível com outros computadores. Mas mesmo sem este tipo de conexão, ainda é possível fazer backup de um PC sem porta USB.

Online: Backup online faz sentido em algumas situações, mas não em outras. Alguns serviços baseados em web, como o Webroot Secure Backup, oferecem redundância de espaço, de forma que seus dados ficam protegidos contra desastres naturais imprevistos (como enchentes, terremotos ou incêndio).Mas backup online pode não ser apropriado se seus dados medem algo da ordem dos gigabytes, ou mesmo terabytes (amantes da fotografia digital e viciados em música, estamos falando de vocês!).

Criadores de conteúdo que precisam de altas capacidades podem preferir deixar seus dados em drives NAS e discos rígidos em vez de ter que pagar as altas taxas dos serviços web de backup.

De qualquer forma, muitos sites oferecem backup online gratuito – como o Mozy.com e o Fabrik.com, por exemplo. Esta quantidade é mais que suficiente para documentos básicos do Word e Excel, arquivos PDF e apresentações do PowerPoint.

Para seus arquivos que ainda estão em constante uso, armazenamento online pode ser muito conveniente (baixe-o sempre que houver uma conexão Wi-Fi) e barato.AutomatizaçãoFazer backup manual de suas informações pode ser um pouco trabalhoso.

Assim, existem diversos utilitários que ajudam e muito, tornando essa tarefa muito mais simples – como é o caso do SyncBackSE e do TrackMyFiles.Além disso, as ferramentas de backup inclusas em diversas edições do Windows XP e do Vista permitem que você agende e faça backups automáticos. Infelizmente, apenas o XP Pro e os Vista Business, Enterprise e Ultimate incluem essas ferramentas como padrão.

Os usuários do XP Home, no entanto, encontram um programa de backup no CD do Windows: No Explorer, vá na pasta valueaddmsftntbackup, clique com o botão direito no arquivo ntbackup e escolha Instalar.

Descubra se seu computador está apto a receber o Windows 7

Windows 7 Upgrade Advisor Beta

Este utilitário gratuito avalia se seu PC oferece os requisitos necessários para rodar o Windows 7.
O Upgrade Advisor vasculha o computador, verificando os componentes internos, periféricos externos e programas instalados e emite avisos de alerta quanto a possíveis problemas de compatibilidade.
E, caso algum problema seja encontrado, o programa oferece dicas de atualização, tais como drivers a substituir e se você deve ou não migrar para o Windows 7.
Depois de baixar, instalar e executar o Upgrade Advisor, você verá uma tela com instruções (em inglês) para que se conecte todos os dispositivos externos disponíveis, tais como HD, webcam, câmeras digitais, tocadores de MP3 etc.

Clique aqui e baixe o Windows 7 Upgrade Advisor Beta

A ferramenta tem uma limitação importante: por enquanto, ela só funciona em PC com processadores de 32 bits. Espera-se que a Microsoft libere uma versão atualizada do programa em breve.
Você será direcionado para o site da fabricante.

Descubra o que está comendo espaço no seu disco rígido com este utilitário.

O SpaceSniffer realiza uma varredura rápida em seu disco e exibe seus dados em diversas caixas separadas – cada uma delas representando um arquivo ou pasta. Elas aparecem com tamanho graficamente proporcional ao seu tamanho em bytes.

Assim, você vai perceber muito facilmente se sua pasta “Games” ocupa mais espaço do que a “Trabalho”. Você ainda pode dar um zoom, aproximando-se das imagens das pastas para vasculhar melhor o conteúdo em cada uma.
Com este utilitário, aliás, conseguimos enxergar que havia dados em nosso disco que não tinham a mínima utilidade – e que nem sabíamos que existia.


Clique aqui para baixar o Space.

SpaceSniffer pode ser muito útil para administradores de sistema obterem uma visão geral do conteúdo dos discos de uma rede, localizando arquivos inúteis ou espaço nos drives. Olhar para seus dados graficamente com certeza é mais intuitivo do que ler uma lista interminável de arquivos.
Este programa é donationware, o que significa que é grátis para testar e usar, mas o desenvolvedor aceita doações para futuras melhorias.

%d blogueiros gostam disto: