Archive | junho 2009

Como reiniciar apenas o Windows, mas não o micro.

Hoje em dia, reiniciar um PC pode demorar cerca de 1 minuto e meio, por vezes até mais, tanto no Vista como no XP.
E quantas vezes não é pedido ao utilizador para reiniciar o Windows após a instalação de software, ou mesmo após a actualização do Windows? O ponto fulcral deste artigo está ai mesmo, o reiniciar do Windows e não o reiniciar do PC.
Na maioria das vezes não é necessário reiniciar o PC (BIOS), somente o reinicio do Windows é suficiente, reinicio este que é chamado de reinicio a frio (cold reboot) mas por defeito o Windows faz sempre o reinicio ao PC que é chamado de reinicio a quente (Warm reboot).
Portanto quando pretender reiniciar somente o Windows sem ter que reiniciar a máquina completamente tem que seguir os seguintes passos, dependendo do sistema operativo.
Windows XPMenu Iniciar > Encerrar > Deixe precionada a tecla Shift enquanto selecciona Reiniciar.
Windows VistaMenu Iniciar > navegue até à seta que fará aparecer as opções de encerramento > deixe precionada a tecla Shift enquanto selecciona Reiniciar.
Simples, fácil e rápido!

Como apagar definitivamente informações que estão no disco rígido

Aplicativos como Fdisk e Format e o comando Delete podem ser revertidos. Veja como evitar que isso aconteça, caso precise.

Qualquer um de posse de um programa de recuperação de dados de baixo custo (e até gratuito) é capaz de trazer de volta dados que foram apagados do HD recentemente – mesmo que você tenha optado por esvaziar a lixeira do sistema. Esse tipo de utilitário é capaz até de recuperar arquivos de um disco rígido que tenha sido formatado.

Por tais motivos, caso você queira assegurar-se de que o próximo usuário do computador não poderá colocar as mãos em seus dados pessoais, saiba que deve dar cabo deles. Uma das técnicas mais usadas para isso é chamada wiping. Este procedimento consiste em sobrescrevendo o HD com zeros e uns novinhos em folha.

Atenção leitor: as informações desta dica farão com que os dados do disco rídigo seja eliminados sem possibilidade de recuperação. Por isso, assegure-se de que é exatamente isso que deseja fazer antes de continuar. E, se for o caso, faça backup dos seus dados.

Antes de colocar as mãos na massa, responda duas questões simples: Você quer apagar apenas as informações pessoais ou o disco como um todo? Qual seu nível de paranoia?

Livrar-se apenas das informações pessoais é mais rápido, mas requer um envolvimento maior por parte do usuário e pode deixar uma brecha  para erros e enganos. Esta opção também requer que se sobrescreva as áreas que não estão sendo usadas do HD – elas podem contar remanescentes de informações pessoais antigas.

Entretanto, sobrescrever o disco todo também tem seus próprios problemas. Supõe-se que um PC com Windows chegue a seu novo proprietário com um sistema operacional instalado e intacto. Caso a máquina em questão venha com um disco de recuperação, tudo fica mais fácil. Basta sobrescrever o disco todo e reinstalar o Windows a partir do disco de recuperação.

Mas se o seu computador é capaz de reinstalar o Windows sem um CD ou DVD especial, sobrescrever o HD todo irá destruir a licença do Windows que vem nele. Mesmo que se opte por sobrescrever a partição C: e deixar a partição de recuperação intocada pode tornar o processo de reinstalação do sistema operacional impossível.

E quanto à paranóia? Muitos dos programas abaixo oferecem variados métodos wiping, alguns com rotinas que sobrescrevem o drive 35 vezes, como forma de garantir que nada possa ser recuperado.

Mas um aplicativo de wiping mais simples, que sobrescreve o HD apenas uma vez tornará os dados que existiam antes inacessíveis para qualquer software que os ladros de identidade costumam usar. Sem contar que eles são substancialmente mais rápidos – estamos falando em questão de horas, em vez de dias (sim, um wiping de 35 vezes pode levar dias para ser completado) – e mais baratos.

Por isso, a não ser que você tenha motivos para temer a Polícia Federal, é provável que você possa dispensar o moroso, mas muito seguro, método Gutmann. Eis as sugestões:

Caso decida apagar pastas e arquivos selecionados, então utilize o gratuito Eraser, utilitário em código aberto.  Uma vez instalado o programa, basta clicar com o botão direito do mouse no arquivo ou pasta que não se quer mais e selecionar a opção Eraser. Clique no botão Options e selecione o método de wipe desejado.

Uma vez que seus dados pessoais tenham sido removidos, clique em Meu Computador (ou Computador, no Vista), clique com o botão direito no drive C: e selecione Erase Unused Space.

Para apagar uma partição, faça o download da versão para DOS do Active@ KillDisk. Este arquivo compactado (.zip) contém outro arquivo .iso e, caso não tenha um, um programa capaz de queimar um disco com a imagem .iso. Basta queimar o CD com a imagem, inicializar o computador com este disco para ter acesso ao programa.

Infelizmente, a versão gratuita faz apenas o wipe uma vez. Mas como já foi mencionado, isso deve ser suficiente para a maior parte das situações. A versão Pro do utilitário custa 45 dólares.

É possível fazer wipe de um disco inteiro com o Active@ KillDisk. Mas caso queira segurança adicional, como sobrescrever mais de uma vez, o Darik’s Boot And Nuke (DBAN) oferece isso a custo zero. Ele também vem em um arquivo em imagem .iso que dá origem a CD para inicialização do PC, mas você terá de usar seu próprio programa para queimar o CD (recomendamos o ISO Recorder).

Mas é preciso ter cuidado: o DBAN irá fazer wiping em todo e qualquer disco que encontre. Por isso, ele não é um programa para ser usado de qualquer forma, nem em um computador que possua uma partição de recuperação e sem outra forma disponível para reinstalar o Windows.

Ferramenta gratuita ajuda monitorar a infraestrutura de TI da empresa

Com boas e úteis funcionalidades, Spiceworks pode substituir os caros programas de gerenciamento feitos para grandes corporações.

O Spiceworks IT Desktop é uma ferramenta gratuita com recursos suficientes para dar a quem não pode pagar por um caro gerenciador de ambiente de rede uma maneira eficaz de entender o que se passa na infraestrutura de tecnologia de uma pequena empresa. E mais: ele possui uma interface simples, bem adequada para ser usada por pessoas sem conhecimentos amplos de TI.

O que ele faz
O Spiceworks lida com diversas tarefas rotineiras. Ele é capaz de reconhecer automaticamente a maioria dos computadores conectados à rede, gerencia o inventário e ainda permite que se adicione, manualmente, outros equipamentos ao catálogo existente.

O software inclui ferramenta de helpdesk por meio da qual usuários fazem solicitações e permitem acompanhar o progresso das soluções dos problemas.

A função de monitoramento do Windows (o software roda em sistemas Windows, mas reconhece e gerencia Windows, OS X, Linux e Unix distribuídos em sua rede) é capaz de identificar problemas no PC, incluindo a situação de antivírus e do Exchange Server. Há recursos para monitorar o uso de banda de internet, status da impressora e outras funções básicas. Pode-se configurar o software para enviar e-mails caso algum problema seja detectado.

Tais recursos tornam o Spiceworks IT Desktop um gerenciador de rede como qualquer outro, exceto pelo seu preço: você não paga nada por ele, desde que não se importe com as propagandas que ele exibe. Livrar-se deste incômodo vai custar 20 dólares por mês.

Windows 7: Sete atalhos para facilitar o uso do sistema operacional

Todo mundo sabe que atalhos de teclado agilizam o acesso a determinadas funções. Veja o que a Microsoft introduziu no Windows 7.

Se você quis se antecipar e resolveu instalar e testar o Windows 7 Release Candidate em seu PC, vai gostar de conhecer alguns atalhos de teclado que foram introduzidos pela Microsoft, alguns baseados na tecla Windows, existente no teclado. Eis aqui cinco que você provavelmente irá apreciar:

Win + Home: minimiza todas as janelas e mantém apenas a janela ativa aberta. Clique no atalho novamente para restaurar as janelas minimizadas.

Win + Espaço: tornar todas as janelas transparentes, deixando ver o desktop através delas

Win + Seta para cima: Maximiza a janela que estiver ativa

Win + Seta para esquerda/direita: Aloca a janela ativa na metade esquerda/direita da tela.

Win + (+ ou -): No zoom (ou no Magnifier), aproxima ou afasta a imagem.

Win+P: Apresenta a janela de customização de apresentações do Windows para que se possa, rapidamente, ajustar as configurações do monitor para incluir um segundo display ou projetor.

Win+Tab: acesso ao Flip 3D

Fique ligado no que as crianças fazem ao usar a internet

Não se trata de invadir a privacidade delas, mas evitar que acessem conteúdos inadequados ou fiquem expostas a outros riscos.

A questão da privacidade online envolve uma série de discussões sobre quem tem – e se tem – o direito de saber o que se faz quando se usa a internet, o correio eletrônico, que sites visita, quando faz isso e tudo o mais, tanto no ambiente corporativo quando na vida privada do internauta. Porém, quando o usuário em questão é uma criança, as coisas mudam de perspectiva.

Embora sejam recursos muito apreciados, as funcionalidades de navegação privada de  navegadores como o Internet Explorer e o Firefox que possibilitam ao usuário não deixar rastros na internet, elas se tornam um problema sério quando tudo o que se quer é proteger uma criança dos malefícios potenciais da web.

Nessa situação, o que pais e responsáveis por menores precisam é de ferramentas que são conhecidas por Controle de Pais (ou Parental Control). Elas trabalham em conjunto com o browser para registrar o que a criança faz quando está online, bloquear conteúdos indesejados e ainda fazer um relatório da navegação web para posterior conferência.

Contar ou não contar
Mas antes começar a monitorar o que seus filhos fazem no computador, é preciso decidir se irá contar ou não a eles que está fazendo isso. É provável que algumas crianças não gostem da idéia de seus pais ou responsáveis saberem de todos os seus passos online. Mas não avisar pode azedar ainda mais a situação caso eles venham a descobrir.

O melhor é abrir o jogo e ouvir suas queixas. Faça-os participar do processo e entender que não se trata de simples invasão de privacidade deles e sim de uma ação preventiva que tem como objetivo protegê-los.

Tal atitude também servirá de aviso e é bem provável que as crianças se policiem quanto ao acesso de conteúdos inadequados.

Dito isso, é bom saber que alguns aplicativos fazem bem esse o trabalho de monitoramento.

Como fazer
O monitoramento do acesso e bloqueio a determinados sites pode ser feito com o próprio sistema operacional ou por intermédio de ferramentas de terceiros.

Para quem utiliza os sistemas operacionais Windows XP e Vista, saiba que o próprio sistema operacional oferece recursos para controle do uso do computador por determinados usuários.

Para isso, é necessário que o PC em questão, desktop ou notebook, tenha uma conta com perfil de administrador (que será usada pelos pais ou responsáveis) e pelo menos uma outra conta padrão (limitada) de acesso ao sistema, que será utilizada pela criança de se deseja monitorar.

Vista: Usuários das versões Starter, Home Basic, Home Premium e Ultimate do Vista contam com uma função de monitoramento específica chamada Controle dos Pais (ou Parental Control).

Para ativá-la abra o menu Iniciar, vá em Painel de Controle, Contas de Usuário e clique em Configurar Controle dos Pais. Clique na conta de usuário padrão a qual você deseja definir o controle, e clique em Ativar.

Depois de ativada, você pode configurar individualmente cada área: Restrições da Web (bloquear sites, filtrar conteúdos, permitir downloads), Limites de Tempo (determinar um horário para acesso e desconexão), Jogos (tipos de conteúdos e bloquear jogos) e Permitir ou Bloquear Programas Específicos.

Windows XP: Diferentemente do Vista, o Windows XP não oferece uma ferramenta dedicada para esse tipo de monitoramento. Este é um dos motivos que levam muitos pais a adotarem softwares de terceiros para tal tarefa.

Mas é possível alterar configurações dos utilitários para controlar melhor o acesso das crianças. Para isso você precisa ter uma conta de administrador.

No Internet Explorer, selecione Ferramentas, Opções da Internet. Clique na aba Conteúdo e no campo Supervisor de Conteúdo pressione o botão Ativar. Isso abrirá a janela do Supervisor de Conteúdo, exibindo quatro categorias já determinadas. Selecionando cada uma delas, basta arrastar o controle deslizante para definir o nível de classificação de cada um.

Ainda na mesma janela, clique na aba Sites Aprovados. Então manualmente copie e cole os sites que quer bloquear e os que quer permitir acesso. Já na aba Geral, você pode criar uma senha de supervisor, para ter um controle mais efetivo e seguro das configurações feitas no Supervisor de Conteúdo.

Aplicações terceirizadas: Caso prefira experimentar um ferramenta de controle diferente, vale a pena conhecer o novo aplicativo da Symantec, chamado OnlineFamily Norton (em inglês, mas fácil de configurar e usar). Este programa inclusive não permite que você esconda o fato de que seus filhos estão sendo vigiados.

Caso tentem visitar um site que tenha sido definido como bloqueado, um aviso irá surgir e será dada a oportunidade de escrever uma mensagem a quem definiu o bloquei e até negociar o acesso.

A ferramenta da Symantec oferece a opção de monitorar o uso da web e, se o responsável permitir, deixar o aplicativo apenas alertar o internauta de que tal endereço é inapropriado, mas permitir seu acesso.

O OnlineFamily pode também bloquear alguns itens de busca, monitorar mensagens instantâneas e controlar quanto tempo seus filhos podem ficar no computador. Você pode monitorar a atividade deles pelo website do programa ou ser alertado por e-mail.

Até o fim de 2009, o uso do OnlineFamily Norton será gratuito. A Symantec não informou se irá cobrar pela usa utilização a partir daí.

Dê boot a partir de um pendrive e carregue no bolso seus aplicativos

Ter um sistema operacional em um dispositivo USB pode ajudar na hora do aperto e garantir seus aplicativos em qualquer PC.

Instalar o sistema operacional em um pendrive e a partir dele iniciar seu computador é um recurso muito útil, principalmente para administradores de rede que, vez ou outra, precisam fazer um backup de emergência, ou para usuários preocupados com a possibilidade de perda de dados.

A idéia é muito parecida com o que é oferecido por algumas distribuições Linux, que já vem no formato de pendrive ou em Live CDs. Mas vamos mostrar como utilizar dessa forma o Windows XP (para o Linux as instruções são as mesmas) e o Windows Vista. Além de alguns aplicativos que também podem ser levados no bolso.

Pré-requisitos
Antes de começar é importante saber o que será preciso para iniciar o processo. Além do pendrive, que deve ter no mínimo 2 gigabytes (GB) de capacidade e estar completamente vazio (para quem for instalar o Vista, recomenda-se no mínimo 4GB de espaço no dispositivo flash), o disco de instalação original do sistema operacional a ser utilizado e baixar alguns softwares para ajudar na tarefa.

Outro detalhe importante é verificar na BIOS do seu computador (ao ligar a máquina, pressione Del ou F2 para acessar a configuração do PC) se existe a opção de boot através do dispositivo USB. Se não houver, então sua máquina não suportará esse tipo de tarefa.

Windows XP

Para começar, baixe o freeware Bart PE Builder, que é um dos responsáveis pelo processo de criação dos arquivos bootáveis. Para facilitar, durante a instalação, observe a opção de gerar de um ícone do programa no desktop. Dê duplo clique para rodar o programa.

Certifique-se de que o disco do Windows XP esteja no drive óptico. Na tela do Bart PE Builder, indique o caminho do drive onde está o sistema operacional no campo Source: (path to Windows installation files). Exemplo: D:.

Marque a opção Create ISO Image e coloque, logo abaixo, o caminho e o nome para salvar o arquivo gerado. Clique no botão Build para começar o processo. Isso pode demorar alguns minutos.

O arquivo ISO gerado contém os componentes mínimos necessários do Windows XP, algumas ferramentas de reparo e fica em torno de 150 megabytes (MB).

As imagens ISO são usadas para gravar CDs ou DVDs. Para gravar os arquivos no pendrive e, para que este desempenhe a função de boot, você terá de baixar outro programa, o FlashBoot.

Após baixar e instalar o software, dê duplo clique no ícone correspondente para rodar o FlashBoot. Na tela inicial, clique em Next. O próximo passo é escolher o tipo de disco a ser criado. Use a primeira opção, Convert BartPE Bootable Disk to Flash Disk. Clique no botão Next novamente.

Nesse momento, você terá de indicar a localização do arquivo ISO que foi criado no primeiro passo. Clique em Browse para esta operação.

Ao localizar o arquivo, conecte o pendrive em alguma porta USB do computador. Feito isso, clique em Next e escolha a unidade (Drive Letter) correspondente ao dispositivo USB e marque a opção Make Bootable USB Flash Disk Which is Physically Present on This PC. Pressione Next.

Escolha a opção de particionamento USB-HDD e clique em Finish. Aí é só esperar que a cópia seja feita e que não ocorra nenhum erro de gravação.

Ao iniciar o sistema  usando o pendrive, aparecerá a mensagem “Starting BartPE”. O processo é lento e é preciso ter paciência.

Após carregá-lo, uma versão enxuta do Windows XP estará disponível para uso. Se o computador estiver conectado a uma rede, basta configurar o TCP/IP. O menu Go, que aparece no canto inferior esquerdo, é semelhante ao menu Iniciar do Windows e oferece o caminho para todos os utilitários instalados.

Windows Vista
Usar o pendrive para dar boot com o Vista é mais simples e rápido que com o XP. Para começar abra o prompt de comando do sistema, na função executar localizada no menu Iniciar. Digite cmd e dê Enter.

Isso abrirá a janela de comando, onde você deverá digitar: diskpart. Dê Enter. A seguir, digite o comando list disk. Este comando lhe informará os discos presentes no sistema. Através desta informação, identifica-se o disco alvo (pendrive) para o particionamento/formatação.

Atenção: cuidado para não particionar/formatar o disco errado. Na janela pode-se ver o resultado do comando e em destaque o pendrive de 1GB (usado no exemplo), identificado pelo DiskPart como sendo o “Disk 3”.

Em seguida, aplique o seguinte comando: select disk 3 (nesse caso é o “disk 3”, mas use o número relativo a seu dispositivo flash, como exemplificado no procedimento anterior). Após isso, aplique os comandos a seguir, na ordem que estão. E dê Enter após digitar cada um deles:

•    clean
•    create partition primary
•    select partition 1
•    active
•    format fs=fat32
•    assign
•    exit

Como resultado deste procedimento, seu pendrive está pronto para receber os arquivos do Vista, provenientes do DVD de instalação. Habilite a visualização de arquivos do sistema no Windows Explorer (tecle Windows + E) e copie todo o conteúdo do DVD para dentro do dispositivo flash, mantendo a estrutura original de arquivos.

Na imagem a seguir estão todos os arquivos que devem ser copiados. Verifique se todos foram passados para o pendrive. Após realizar esse processo, seu dispositivo USB estará pronto para iniciar com o Windows Vista.

Aplicativos no pen drive

A lista dos aplicativos portáteis é longa. Clientes de e-mail, browsers, pacotes de escritório, mensageiros, dicionários, editores de imagens, agenda, utilitários multimídia e assim por diante. Quase tudo que você usa no seu computador de casa, hoje, pode ser usado em forma portátil, sem necessidade de instalar nada, independentemente do computador que você use. Você roda o software a partir do próprio pen drive, que também contém seus documentos e arquivos.

Um dos mais conhecidos é o Portable Apps, que reúne os principais programas de código aberto, em formato portátil para acesso a partir de dispositivos flash.

Entre os principais aplicativos da suíte, estão o navegador Firefox, o antivírus ClaimWin, o Gaim (mensageiro que conecta a servidor do MSN, Yahoo, AOL, etc.), Open Office completo (textos, planilha, cálculo, apresentações), Thunderbird como cliente de e-mail e o calendário Sunbird, além do joguinho Sudoku.

O download tem apenas 90MB e, para usar todos os aplicativos, é preciso um pendrive de no mínimo 512MB. Mas se você quer apenas um aplicativo office e que seja compatível com o Microsoft Office, então o OpenOffice é ideal.

Já para quem quer um leitor PDF, recomendamos o Sumatra. Para atividades multimídia, o editor de áudio Audacity também tem sua versão portátil, assim como o editor de imagens Gimp (ambos com versões para Mac e PC). Na wikipedia existe uma imensa lista com todos os aplicativos portáteis disponíveis.

Como remover um programa indesejado que não tem desinstalador?

Quem nunca passou por essa situação: você quer fazer uma limpa no seu PC e percebe que seu menu Iniciar está cheio de programas para os quais não existe um utilitário para remoção no computador.

Para resolver isso, o primeiro passo é descobrir se o(s) item(ns) em questão são programa que não se quer mais ou apenas atalho(s). Para descobrir, clique nele com o botão direito do mouse e selecione Propriedades.
Verifique no campo Destino o nome do programa ao qual o atalho está vinculado e veja se ele existe de fato no seu HD. Caso não o encontre, é certo tratar-se de um atalho e livrar-se dele é simples: selecione-o e pressione Del para apagá-lo.

No caso de o programa ser encontrado, procure descobrir se não há programa setup de desinstalação. Verifique no submenu do aplicativo em questão, dentro do menu Iniciar e também na opção Adicionar e Remover Programas no Painel de Controle. Se encontrado, basta executá-lo que o aplicativo será removido.

Nada de desinstalador
Não se espante se nada for encontrado; esta é uma situação indesejada, mas felizmente comum. Procure na Internet se já não existe um desinstalador disponível para a aplicação que se deseja apagar.

Acesse seu mecanismo de busca preferido e pesquise pelo nome do programa, número da versão e coloque a palavra desinstalar (ou uninstall, em inglês). Se não localizar nada, experimente a palavra Remover (ou remove). Fóruns também costumam oferecer ajudar para problemas dessa natureza.

Caso localize o que procura, antes de utilizá-la, verifique se não existem comentários negativos de outros usuários sobre a ferramenta e submeta o arquivo a verificação contra pragas virtuais.

Outra alternativa é utilizar aplicativos pagos, criados especificamente para esta finalidade, como o Ashampoo Magic Uninstall (gratuito). Este utilitário funciona da seguinte maneira: ele faz uma imagem do sistema antes da remoção do software, executa uma série de procedimentos para apagar o que o usuário não deseja mais (incluindo limpeza do registro do Windows) e faz uma nova imagem do ambiente depois. Dessa forma, no caso de algum problema ter acontecido, será possível reverter o sistema para o estado anterior.

Caso você seja o tipo de usuário que gosta de fazer as coisas sozinho, eis aqui um passo a passo que irá ajudá-lo a remover aplicativo na unha:

1) Faça backup do Registro: Algo terrível pode acontecer nos próximos 5 passos, então é melhor se prevenir. Veja as instruções de como fazer backup de seu Registro neste link.

2) Localize o caminho e o nome de arquivo: Você vai precisar dessa informação para alguns dos próximos passos. Clique com o botão direito no atalho do programa no menu Iniciar e selecione Propriedades. No campo Destino, tudo que estiver à esquerda da última barra é o endereço do programa no HD; à direita, fica o nome do arquivo.
Por exemplo, se o campo Destino mostra C:\Arquivos de programas\FileZilla FTP Client\filezilla.exe, então o caminho é C:\Arquivos de programas\FileZilla FTP Client\ e o nome do arquivo é filezilla.exe.
Mantenha a caixa de Propriedades aberta. Você vai usar o caminho e o nome do arquivo no processo.

3) Limpe a inicialização: Vá em Iniciar, Executar (não precisa selecionar Executar no Vista), digite msconfig e aperte Enter, Clique na aba Inicialização. Procure qualquer coisa relacionada ao programa, incluindo algo que tenha o caminho ou nome do arquivo.
Antes de desmarcar a opção encontrada, certifique-se de que ela contém o caminho inteiro. Afinal, você não vai querer remover tudo que estiver em C:\Arquivos de Programas.
Caso você desmarque algum item, será solicitado que você reinicie ao fechar o msconfig. Siga a solicitação, reiniciando a máquina.

4) Apague a pasta do programa: Esta é a pasta da qual falamos antes. Por exemplo, se o caminho for C:\Arquivos de programas\FileZilla FTP Client\, acesse C:\Arquivos de programas e apague a pasta FileZilla FTP Client\.
Provavelmente você terá que confirmar para deletar. Confirme.

5) Limpe o Registro: Seu convidado indesejado pode ter deixado algumas coisas pelo caminho enquanto esteve em seu PC. Para descobrir com eliminar isso, siga as instruções deste link para limpar o registro do Windows.

6) Apague o atalho: Feche a janela de Propriedades que abriu no passo 2 e, então, apague o atalho no menu Iniciar.
Se tudo der certo, o programa estará apagado de uma vez por todas.

%d blogueiros gostam disto: