O que tornam essas 10 distribuições Linux tão populares?

distribuicao Facilidade de uso, compatibilidade, requisitos mínimos de hardware, flexibilidade… Com tantas opções, uma delas poderá servir à sua empresa.

Uma das coisas mais confusas para um iniciante em Linux é entender quantas distribuições, ou versões, existem para este sistema operacional. O Ubuntu é um dos que tem estado mais em evidência, mas há centenas de outras, cada uma com alguma variação do tema básico do Linux.

Escolher a distribuição – ou “distro” – mais adequada para sua empresa vai depender em grande parte de cinco fatores fundamentais, como já foi explicado. Também ajuda ter uma compreensão básica das diferenças que existem entre as grandes distros Linux.

Saiba então o que cada uma das dez maiores distribuições Linux oferecem.

1::Ubuntu
Sim, nos últimos tempos o Ubuntu tornou-se o garoto propaganda do Linux. E não surpreende: é a distro mais popular até agora, atraindo mais de 2.200 acessos por dia no site Distrowatch. O segundo lugar, Fedora, tem 1.400.

O Ubuntu é praticamente um estreante na cena Linux. Foi anunciado em 2004 mas, apesar de sua pouca história, está mais que pronto. Fundada pelo milionário sul-africano Mark Suttleworth, a Canonical – a empresa por trás do Ubuntu – distribuiu por vários anos CDs do Ubuntu, sem custo, o que colaborou para acelerar sua penetração de mercado.

O Ubuntu tem como base o Debian (ver abaixo) e inclui aplicativos bastante conhecidos, como Firefox e OpenOffice.org. Seu cronograma de atualização é previsível – há uma nova versão a cada seis meses –, com eventuais versões de Suporte de Longo Prazo (LTS, na sigla em inglês) que recebem atualizações de segurança de três a cinco anos.

O Ubuntu também é notável por sua facilidade de uso e pela inclusão de um assistente de migração para usuários do Windows e o suporte para as tecnologias mais recentes. A versão 10.10 do Ubuntu – também conhecida como Maverick Meerkat – incluirá a compatibilidade para telas muiltitoque e comandos de gestos. A revisão final dessa versão está prometida para outubro de 2010.

Vale lembrar que o Ubuntu está disponível em vários remixes e subdistros com foco em nichos específicos, como Kubuntu, Xubuntu e Lubuntu. A maioria difere basicamente em relação à oferta de um ambiente de desktop alternativo ao Gnome utilizado pelo Ubuntu.

2::Fedora
O Fedora é a versão gratuita da Red Hat, cujo RHEL (Red Hat Enterprise Linux) tem sido um sucesso comercial desde 2003. Graças a essa forte conexão, o Fedora é particularmente forte em recursos corporativos, e com frequência os recebe antes mesmo que seu irmão RHEL.

O Fedora também oferece um calendário de atualização semestral, e seus recursos de segurança são excelentes. Alguns o veem como uma distro moderna para hobistas do Linux, mas penso que ela é uma boa escolha para usuários novatos graças às melhorias recebidas nos últimos anos e sua crescente popularidade.

3::Linux Mint
Terceiro lugar em popularidade no Distrowatch, o Linux Mint é uma distro baseada no Ubuntu que foi lançada em 2006. O sistema operacional acrescenta seu próprio tema de desktop ao do Ubuntu e um conjunto diferente de aplicações.

Igualmente exclusivo é a diversidade de ferramentas gráficas voltadas ao aprimoramento da usabilidade, tais como mintDesktop (para configuração do ambiente desktop), mintInstall (para instalação mais fácil de software) e mintMenu (para navegação mais fácil).

O Mint tem uma boa e merecida reputação por facilidade de uso, o que o torna uma escolha adequada para iniciantes. Ele também inclui alguns codecs multimídia proprietários que estão frequentemente ausentes das distribuições maiores, o que por usa vez colabora para melhorar sua compatibilidade com hardware.

O Mint não tem um cronograma fixo de atualização, mas geralmente as novas versões surgem logo depois de cada versão estável do Ubuntu.

4::openSUSE
Com cerca de 1.200 acessos por dia no Distrowatch, o openSUSE ocupa o quarto lugar em popularidade no site e também é a fundação dos produtos SUSE Linux Enterprise Desktop e SUSE Linux Enterprise Server.

O utilitário de administração do pacote, YaST, é largamente reconhecido como um dos melhores, e sua edição em caixinha vem com uma das documentações impressas mais bem elaboradas já feitas por uma distro. Eu diria que o openSUSE poderia ser classificado como “médio” em nível de dificuldade.

5::PCLinuxOS
Em vez de usar o GNOME, o PCLinuxOS usa o ambiente de desktop KDE e é essencialmente uma versão peso-pena do Mandriva (ver abaixo).

Com bom suporte para drivers gráficos, plugins de navegador e codecs de mídia, o PCLinuxOS pode ser uma boa escolha para iniciantes. Mas seu ciclo de lançamentos pode ser irregular, e não há uma versão de 64 bits.

6::Debian
Com uma história cujas origens remontam a 1993, o Debian atualmente é conhecido como uma das distros mais bem testadas e livres de bugs disponíveis hoje. Embora sirva como fundação do Ubuntu, muitos o veem como uma distro mais adequada para quem tem experiência com o Linux.

A distro usa todos os componentes de código aberto, o que é uma boa coisa. Mas isso significa que será mais difícil obter compatibilidade com código proprietário como drivers de rede wireless.

O Debian também tem um ciclo de atualização relativamente lento: versões estáveis são publicadas dentro de um período que varia de um a três anos.

7::Mandriva
Conhecido anteriormente como Mandrake, o Mandriva é notável por seus softwares de última geração, uma excelente suíte de administração e uma versão de 64 bits. Ele também foi a primeira distribuição a aderir à onda dos netbooks com suporte automático.

Apesar disso tudo, o Mandriva tem sofrido por causa de decisões controversas tomadas por seu fabricante francês. A empresa se reestruturou recentemente e, como resultado, alguns veem como incerto o futuro de sua versão comunitária.

8::Sabayon/Gentoo
O italiano Sabayon é essencialmente uma versão LiveCD (executável a partir de um CD) do Gentoo, que é conhecido por permitir aos usuários otimizar cada componente de forma individualizada. Ambos são consideradas distribuições avançadas de Linux, mais voltadas a usuários experientes.

9::Arch Linux… Mais Slackware
O Arch é outro pacote voltado inicialmente a usuários experientes interessados em ajustar e otimizar seus sistemas. Embora não esteja atualmente na lista dos dez mais, o Slackware é indicado para gurus do Linux.

10::Puppy Linux… Mais DSL
Último na lista dos dez mais do Distrowatch, o Puppy Linux é uma distro compacta ideal para hardware mais antigo e situações em que os recursos computacionais são mínimos. (O Damn Small Linux é parecido.)

Embora seja compacto, o Puppy traz uma variedade de recursos e inclui diversos assistentes para configuração e instalação de aplicações. O sistema todo é pequeno o suficiente para diretamente da RAM do sistema. Assim, as aplicações carregam rapidamente e respondem instantaneamente aos comandos do usuário.

Fonte: Desmonta&CIA

Anúncios

Tags:

About Desmonta&CIA

Somos um blog que busca informar aos apaixonados por tecnologia tudo sobre o mundo de TI.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: