Empresas de TI mobilizam equipes para projetos sociais

A maioria das Melhores Empresas para Trabalhar incentiva funcionários a praticar o exercício de cidadania. Uma iniciativa que influencia de forma positiva o clima organizacional.

Já foi a época em que as pessoas queriam um emprego apenas para ganhar dinheiro. Hoje elas aspiram trabalhar em uma empresa que proporcione o desenvolvimento profissional e pessoal de seus funcionários e da sociedade. Assim, as iniciativas de responsabilidade social entraram na lista de requisitos que influenciam diretamente no clima organizacional.

Não à toa, na lista das 70 Melhores Empresas para Trabalhar em TI e Telecom, a maioria delas tem algum tipo de ação ligada à responsabilidade social – critério que, pela primeira vez, passou a fazer parte da pesquisa. E as mais eficientes são aquelas nas quais os profissionais da organização podem compartilhar seus conhecimentos, explica a gerente de projetos do Great Place To Work no Brasil, Roberta Hummel.

A operadora de telecomunicações GVT transformou a experiência dos seus profissionais em um programa social voltado à conscientização das pessoas sobre o uso responsável da internet. Assim, um grupo de funcionários, batizados de voluntários do bem, promove palestras nas escolas e comunidades carentes de Curitiba (PR) e região, com o objetivo de ensinar crianças e adolescentes a navegar na web de forma adequada.

“Desde o início, a companhia percebeu que a internet iria fazer parte da vida das pessoas. E como a banda larga é nosso principal produto, precisávamos informar que a web, quando usada inadequadamente, é nociva à sociedade”, explica Adeildo Nascimento, diretor de recursos humanos da GVT. Ele conta que o trabalho de conscientização é realizado por um grupo com mais de 40 colaboradores da companhia.

Além das visitas às escolas, a iniciativa envolve um guia para o uso responsável da internet, que está em sua terceira edição. Trata-se de uma cartilha educativa, lançada em 2008, voltada a informar alunos, professores e pais.

Compartilhamento de conhecimento
Assim como na GVT, o site de compra e venda Mercado Livre.com desenvolveu uma ferramenta que permite compartilhar parte do conhecimento da equipe com a sociedade. A iniciativa, batizada de Universidade Empresa, oferece cursos de capacitação, presencial e a distância, para pequenos empreendedores que queiram comercializar produtos na internet.

A equipe de vendas do Mercado Livre.com elabora o conteúdo dos cursos, bem como ministra as aulas presenciais, que acontecem a cada dois meses. Durante as apresentações, os pequenos empresários aprendem como usar melhor a web, aproveitar as ferramentas online para reduzir custos operacionais, táticas de vendas por e-mail, processos de logística para entrega de pedidos, entre outros. “Nossos profissionais contribuem com o que têm de melhor, que é habilidade em vendas”, conta Helen Menezes, gerente de recursos humanos da empresa.

Para o vice-presidente do Instituto Ethos – entidade que atua na área de responsabilidade social –, Paulo Itacarambi, as iniciativas voltadas a contribuir com a sociedade só têm um reflexo positivo para o clima organizacional quando estão em sintonia com o comportamento da empresa. Só assim, segundo ele, os funcionários estarão realmente engajados com as ações.

“Os colaboradores sabem quando a companhia busca resultados para todos, não apenas para os acionistas”, ressalta Itacarambi. O que, segundo ele, depende de iniciativas voltadas a todos os públicos com os quais a organização se relaciona de alguma forma (funcionários, clientes, fornecedores e sociedade em geral).

A consultoria e integradora de software Kaizen seguiu à risca o conselho do presidente do Instituto Ethos. Desde sua fundação, a empresa percebeu que, além de gerar empregos para a região de Campinas (SP), onde está instalada, precisava compartilhar parte dos seus resultados com a comunidade local, segundo o diretor de gestão de talentos do grupo, Daniel Dystyler.

Ainda de acordo com ele, cerca de 60% dos 160 funcionários estão envolvidos nas ações do Planet Kaizen. Este último, um programa que estimula o trabalho voluntário dos profissionais na Manaem, uma entidade que trabalha na ressocialização de 130 crianças e adolescentes carentes, em Indaiatuba (SP). Além disso, a ação promove festivais de rock, voltados a arrecadar fundos para ONGs (organizações não governamentais) locais, como o Instituto Deco.

Também como parte das iniciativas, a empresa incentiva jovens e crianças carentes a aprender instrumentos musicais. Para isso, além de doar equipamentos, os profissionais da Kaizen dão aulas de música em ONGs da região.

E Dystyler informa que o próprio festival promovido pela companhia tem servido de palco para apresentar esses jovens músicos. No ano passado, por exemplo, a banda contou com a participação de crianças que tocaram violino no recital. Quanto ao que esse tipo de ação reflete para os funcionários, o diretor de talentos responde: “Eles sabem que aqui não são só respeitados e bem remunerados, mas podem contribuir com a sociedade”.

Fonte: Desmonta&CIA

Tags:

About Desmonta&CIA

Somos um blog que busca informar aos apaixonados por tecnologia tudo sobre o mundo de TI.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: